noticias


Reunindo mais de 50 mestres e mestras da cultura do Ceará, o XI Encontro Mestres do Mundo teve abertura nesta quarta-feira (29/11), em Limoeiro do Norte. Após um cortejo pelas ruas do Centro da cidade, os tesouros vivos da cultura foram até o palco principal do encontro, na Praça Odílio Silva, onde foram recebidos pelo secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano do Santos Piúba, e o superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Otacílio Macedo, que parabenizou a iniciativa da Secult e dedicou o Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade aos Mestres da Cultura do Estado. O mais importante prêmio do Brasil em patrimônio cultural foi recebido este ano pela Secult, em reconhecimento à realização do Encontro Mestres do Mundo. O XI Encontro Mestres do Mundo acontece até 2/12, em Limoeiro e cidades vizinhas. A programação está disponível em:http://mestresdomundo.org.br/.

 “Quero cumprimentar o secretário Fabiano dos Santos, que recebeu esse prêmio e que proferiu grande discurso no Rio de Janeiro, ao lado de mestres da cultura. Ele foi aplaudido de pé por todos, em reconhecimento a este grande encontro”, ressaltou o superintendente do Iphan, Otacílio Macedo, lembrando do momento da entrega do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, que aconteceu em outubro deste ano. “Os mestres receberão a premiação. O Ceará está de parabéns por preservar a cultura”, destacou também.

O secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano dos Santos Piúba, fez questão de lembrar que o Ceará foi o primeiro Estado do Brasil a formular uma política de preservação de patrimônio imaterial voltada aos mestres da cultura. Formando uma roda junto aos mestres que fizeram uma breve apresentação sobre seus saberes e fazeres, o secretário cantou uma música inspirada numa fala do mestre Aldenir de Reisado do Crato. “Certa vez perguntei para o mestre o que é preciso para ser mestre da cultura e o mestre Aldenir me falou que é preciso ter respeito consigo e com a comunidade, ser verdadeiro e ter amor. A arte dos mestres são saberes dos tempos eternos que se reinventam agora, como diria a mestra Luiza de Teodoro”, destacou o secretário Fabiano Piúba.

O prefeito de Limoeiro do Norte, José Maria Lucena, esteve presente na abertura, dando boas-vindas ao público e aos mestres da cultura. “É com muito prazer que Limoeiro recebe mais uma vez esse encontro de extrema relevância. Estamos felizes em acolher todos vocês, os mestres e os que estão visitando a cidade. Isso é muito bom para Limoeiro e para região, que vai receber as atividades do Encontro”.

Apresentações e homenagens

A cultura cearense irradiou por Limoeiro do Norte. A programação do primeiro dia do XI Encontro Mestres do Mundo teve início com um grande cortejo nas ruas do Centro da cidade, em que vários grupos da cultura tradicional popular do Estado e mestres da cultura estiveram reunidos.

Vários grupos se apresentaram na Praça Maestro Odílio Silva, na noite de programação do Encontro. Entre eles, os Bacamarteiros da Paz, de Juazeiro do Norte, que homenagearam o Mestre Bigode, líder do grupo, que faleceu neste ano.  Se apresentaram também o Reisado dos Irmãos/Mestre Pedro (Juazeiro do Norte), o Boi Mirim Pai do Campo e Mestre Chico (Limoeiro do Norte), a Banda Cabaçal Padre Cicero (Juazeiro do Norte) e o Candombe, Comparsa Cenceribó, de Montevidéu, Uruguai, atração internacional do XI Encontro Mestres do Mundo.

A Programação

Durante os quatro dias do Encontro Mestres do Mundo serão realizadas oficinas com o mote “Saber dos Encantados”, ministradas por Mestres e Mestras ou componentes de seus grupos. Também acontecerão aulas espetáculos e oficinas itinerantes, contemplando as cidades de Tabuleiro, Quixeré, Russas, Alto Santo e Morada Nova. As atividades ocorrerão em espaços socioeducativos de forma compartilhada com parceiros locais, disseminando principalmente a educação patrimonial, artística e cultural.

Já na Roda de Trocas, os Tesouros Vivos compartilharão saberes entre si e com a comunidade, tendo como fio condutor da vivência o tema “Corpo, Sons, Mãos, Oralidade e Sagrado”, com participação de outros mestres de várias regiões do Brasil.

Tendo em vista o fortalecimento das políticas de patrimônio, o evento promoverá na quinta-feira (30/11), na FAFIDAM, o Seminário Interdisciplinar de Patrimônio Imaterial, com o tema “Além da Carta de Fortaleza – uma trajetória de desafios avanços, reafirmações e novas proposições para o patrimônio imaterial cearense”. O Seminário intenta de forma democrática favorecer espaço para as vozes locais (Mestres, Mestras, agentes culturais, sociedade civil organizada, professores, alunos entre outros) para reflexões e proposições necessárias sobre os Patrimônio Imaterial Cearense e as políticas públicas para o desenvolvimento, registro, salvaguarda e difusão destas, explica a curadora do projeto Profª. Lourdes Macena.

É importante que professores, alunos, agentes culturais e demais interessados compreendam que todas as ações que envolvem saberes, fazeres, Mestres e comunidades tradicionais, se relacionam com questões pertinentes ao patrimônio imaterial, daí a importância deste Seminário considerando as relações destes saberes com diversas áreas do conhecimento humano como história oral, geografia cultural, literatura oral, sociologia, antropologia, etnomatemática, etnomusicologia, folkcomunicação, direitos difusos, direitos culturais, artes entre tantas e tantas outras.

No total, mais de 25 grupos e bandas fazem as apresentações artísticas durante o XI Encontro Mestres do Mundo, entre reisados, bois, pastoris, cocos, emboladores, bacamarteiros, dentre outras manifestações da cultura popular, principalmente do Ceará, mas também de outras regiões do país e do mundo, como o Candombe (Uruguai) – declarado Patrimônio da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco); e os representantes de Da Comunidade Negra dos Arturos (Minas Gerais) – a primeira comunidade negra do Brasil a ser reconhecida como Patrimônio Cultural.

Outra novidade nesta edição serão as atrações para o público infanto-juvenil, a partir da quinta-feira (30/11), sempre às 18h, trazendo o Palhaço Pimenta, teatro de bonecos com Bil Bonequeiro, e brincadeiras lúdicas com os Mestres e Bichos de Boi. De acordo com o pesquisador Oswald Barroso, “o encontro é importante por aproximar os mestres da cultura tradicional popular entre si para intercâmbio de saberes e práticas, sobretudo, no compartilhamento com os mais jovens. Se os jovens não se reconhecerem na cultura que os mais velhos criaram, guardaram e reinventaram – e nem dela se apropriarem, a tradição não terá continuidade”.

O palco da Arena dos Mestres também receberá apresentações musicais representativas da cultura popular, como o cantor e poeta Mário Lúcio (Cabo Verde), os grupos cearenses Fulô da Aurora e Dona Zefinha, além da cantora de cirandas Lia de Itamaracá (Pernambuco), que fará o show de encerramento do XI Encontro Mestres do Mundo.

Por fim, a Feira e Mostra Gastronômica de Artesania Familiar comercializará no período do evento as criações dos Mestres e Mestras da Cultura, valorizando produções locais. Destaque para a participação da Casa de Farinha do distrito de Lajes (Limoeiro do Norte) com venda de tapiocas, doces, broas, fogosas, queijos, figada/sarrabulho, tripa de porco com cuscuz, entre outras iguarias.

Mais sobre o Encontro Mestres do Mundo

O Encontro Mestres do Mundo é um evento estruturante da Secult, realizado desde 2005 como uma importante iniciativa de interiorização da cultura. Em dez edições, o Encontro e suas ações já foram acolhidos pelas cidades de Limoeiro do Norte, Jaguaruana, São João do Jaguaribe, Russas, Barbalha, Juazeiro do Norte e Crato, reunindo a cada edição os Mestres da Cultura, titulados como Tesouros Vivos da Cultura do Ceará, em diálogo com brincantes, estudantes, professores, pesquisadores e mestres de outros estados e países, com uma programação riquíssima voltada ao encontro e troca de saberes.

O Encontro é uma oportunidade singular de vivenciar a diversidade da cultura popular tradicional através da convivência com os guardiões que mantêm vivas as tradições. Conta com a participação de mestres, mestras e grupos locais, regionais e internacionais, promovendo a integração e a troca de experiências. Expressões de linguagens variadas se juntam em uma arena onde os mestres apresentam e transmitem seus saberes e seus fazeres.

São momentos mágicos onde o público participante trava contato com memórias, narrativas e práticas por meio de uma programação ampla de atividades práticas e teóricas. Um dos momentos mais especiais é a distribuição dos participantes em cinco categorias de Rodas de Mestres (corpo, mãos, oralidade, sons e sagrado), para o intercâmbio de saberes, contando com a mediação de pesquisadores da cultura popular.

As Rodas de Trocas são os momentos em que os Tesouros Vivos da Cultura do Estado do Ceará recebem os convidados, mostrando para a comunidade local seus costumes e a sua arte. As noites são marcadas por uma grande diversidade de apresentações de grupos e mestres oriundos das 14 (quatorze) macrorregiões do Ceará, bem como atrações nacionais e internacionais.

Ao longo das dez edições, ocorreram ainda diversas oficinas de repasse dos conhecimentos tradicionais, cursos e ações de educação patrimonial junto a estudantes e professores de escolas públicas, seminários temáticos com reflexões acadêmicas, exposições de fotografias e objetos relacionados às tradições, feirinha para comercialização de artesanatos feitos pelos mestres e outros produtos relacionados às culturas tradicionais, cortejos nas ruas da cidade, encontros de gestores culturais, dentre outras atividades. Momento de grande relevância para a cultura popular tradicional foi a titulação no X Encontro Mestres do Mundo de 58 (cinquenta e oito) Mestres da Cultura como Notório Saber em Cultura Popular pela Universidade Estadual do Ceará (Uece), em 2017.